DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

Museu Virtual da UnB abrigará mostra que contará história do descobrimento do polo sul e da presença brasileira no continente

Foto: Ronaldo Iunes

 

Em janeiro de 1982 a marinha brasileira chegou ao polo sul pela primeira vez e foi criado o Programa Antártico Brasileiro (Proantar). Um mês após a presença brasileira no continente completar três décadas, um incêndio substituiu a comemoração pelas notícias sobre a tragédia que matou dois militares. O Museu Virtual da Universidade de Brasília, que prepara há um ano uma exposição sobre a Antártica, reúne agora esforços para ampliar o alcance do material e transformá-lo em uma espécie de manifesto pela reconstrução da Estação Antártica Comandante Ferraz.

 

O material foi coletado em expedição realizada em março de 2011, pelo professor da Faculdade de Educação Gilberto Lacerda, coordenador do Museu Virtual, e Ronaldo Iunes, assistente de pesquisas no Laboratório Ábaco, na mesma unidade acadêmica. Ao longo de 12 dias eles registraram, em mais de 1,8 mil fotos, a vida dos brasileiros na estação, além de paisagens, animais e até o esqueleto de baleia montado pela equipe do oficial da marinha francesa Jacques Cousteau.

Esqueleto de baleia montado pela equipe de Jacques Cousteau, próximo à estação brasileira na Antártica. Foto: Ronaldo Iunes

 

O Museu Virtual conta com seis exposições. A da Antártica será a maior de todas e reunirá pesquisas científicas realizadas na Universidade de Brasília – uma dela foi divulgada esta semana no UnB Ciência – e em outras instituições. Trará ainda maquetes virtuais da estação e dos navios brasileiros, além de fotos, vídeos e depoimentos. A ideia é centralizar conteúdos sobre o continente com o objetivo de informar estudantes das escolas públicas e a população em geral. O material estará disponível em julho. A data ainda não foi definida.

Sala do gerador da Estação Antártica Comandante Ferraz, que pegou fogo. Foto: Ronaldo Iunes

 

ESFORÇO– Devido ao incêndio, os pesquisadores somarão à divulgação científica – função do Museu Virtual – a divulgação da importância da estação e da atuação brasileira na Antártica como estímulo à reconstrução das instalações. "Queremos que a exposição seja um instrumento de mobilização da opinião púbica em prol da reconstrução", explica. "É uma forma de dar voz aos pesquisadores que atuam lá"."Além das vidas que se foram, a perda material é incalculável. São anos de trabalho ali dentro", explica Ronaldo. "Será necessário um esforço gigantesco, com navios e mão de obra especializados, para instalar tudo outra vez", acredita.

Gilberto Lacerda e Ronaldo Iunes registraram mais de 1,8 mil fotos. Foto: Divulgação

 

O reitor da UnB, José Geraldo de Sousa Junior, afirma que a universidade compartilha o sentimento de perda que o incêndio causou. "Estamos solidários na linha de buscarmos atuar na superação desse problema e na recuperação, o mais breve possível, desse espaço de presença institucional no continente antártico", comenta. "Estamos atentos ao papel que a estação brasileira cumpre, não só do ponto de vista da presença do país onde é importante uma participação multinacional, mas sobretudo porque é um espaço valioso para o desenvolvimento de pesquisa em vários campos. A própria UnB tem sido protagonista nessa pesquisa com a presença ativa de pesquisadores".

A estação Antártica Comandante Ferraz surgiu em 1982. Foto: Ronaldo Iunes

 

MULTIMÍDIA – Junto com a inauguração da exposição virtual será montada uma mostra na Biblioteca Central da UnB com fotografias de Ronaldo Iunes, João Paulo Barbosa e Weimer Carvalho intitulada 30 anos em 30 fotos. A mostra será lançada junto com a do Museu Virtual.

 

O coordenador do Museu Virtual também trará para a Universidade reportagens impressas e de televisão produzidas por veículos que estiveram presentes na mesma expedição que a equipe da UnB.

Vista do oceano de dentro da estação brasileira. Foto: Ronaldo Iunes

 

Um livro infanto-juvenil baseado em relatos do Comandante da Marinha Sérgio Segóvia, escrito pelo fotógrafo João Paulo Barbosa, será lançado na ocasião. A história, escrita sob orientação do professor Gilberto Lacerda, narra o encontro do comandante com o navio polar Almirante Maximiano, o H41, chamado de Tio Max. "O incêndio da estação e a mobilização para reconstruí-la fecharão o livro", conta Gilberto. "A viagem única à Antártica do Tio Max, de natureza ficcional, resumirá todas as viagens feitas e terá o objetivo de buscar três objetos misteriosos, de natureza duvidosa e de grande interesse científico".

 

A ideia é distribuir o livro gratuitamente para os estudantes da rede pública, mas a equipe ainda depende de apoio para a publicação do material. Para entrar em contato com o professor Gilberto Lacerda, basta enviar e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

ATENÇÃO O conteúdo dos artigos é de responsabilidade do autor e expressa sua visão sobre assuntos atuais. Os textos podem ser reproduzidos em qualquer tipo de mídia desde que sejam citados os créditos do autor. Edições ou alterações só podem ser feitas com autorização do autor.