BENEFÍCIOS

Estudantes em vulnerabilidade socioeconômica podem se submeter à avaliação a partir do dia 9 de março

Foto: Isa Lima/UnB Agência

 

O Decanato de Assuntos Comunitários (DAC) inicia o semestre com uma série de novidades que devem contribuir para ampliar as condições de permanência e conclusão do curso superior dos estudantes que precisam de apoio institucional. Entre as novas ações estão o aumento do número de alunos contemplados e a institucionalização de benefícios para estudantes que possuem filhos.

 

O Edital de Avaliação Socioeconômica, que costumava ser divulgado 15 dias após o início das aulas, já está publicado. A antecipação foi estabelecida para resguardar, desde os primeiros dias de aula, os direitos dos estudantes em situação de vulnerabilidade.

 

A avaliação socioeconômica é a única porta de acesso dos alunos matriculados aos sete programas de assistência estudantil da UnB. São eles: Bolsa-alimentação, Auxílio-Socioeconômico, Vale-livro, Acesso à língua estrangeira, Moradia estudantil da graduação, Moradia estudantil da pós-graduação (mestrado e doutorado) e Bolsa-permanência do MEC.

 

Inscrições para a avaliação começam na próxima segunda-feira, 9 de março, e seguem abertas até 15 de junho. Interessados em participar devem preencher o formulário disponível no Saeweb e entregá-lo assinado, junto com a documentação exigida, no Serviço de Programas Sociais da Diretoria de Desenvolvimento Social (SPS/DDS), presente em todos os campi da UnB.

 

“Nós damos prioridade aos estudantes oriundos das cotas sociais, que são os alunos que vêm de escolas públicas cujas famílias possuem renda familiar per capita de até um salário mínimo e meio”, pontuou a decana de Assuntos Comunitários, Denise Bomtempo. De acordo com a gestora do DAC, quanto menor a renda per capita da família do candidato, maior é a probabilidade de acesso aos programas de assistência estudantil.

 

EXPANSÃO - O índice de estudantes beneficiados com os programas do DAC tem sido ascendente pelo menos desde 2012, quando o número de bolsas-alimentação cedidas, por exemplo, subiu de quase 2 mil para pouco mais de 2,6 mil.

 

A expectativa do decanato é de que, neste ano, o aumento seja de 30%, valor similar ao alcançado em 2012 e sete pontos maior do que o realizado no ano passado, quando o número de estudantes beneficiados com o auxílio-alimentação chegou a 4.182.

Ilustração: Ana Rita Grilo/UnB Agência

 

FILHOS- Graduandos caracterizados em situação de vulnerabilidade socioeconômica que têm filho de até seis anos de idade podem requer auxílio-alimentação para a criança. A iniciativa é realizada pela Diretoria de Desenvolvimento Social (DDS) a partir da avaliação de cada caso.

 

Uma proposta de resolução para regulamentar o auxílio na UnB está em fase de elaboração e deverá passar pelas as instâncias deliberativas da universidade.

 

Outra novidade é o auxílio-creche. O benefício está sendo formatado pela Câmara de Assuntos Comunitários e deve entrar em vigor a partir do segundo semestre de 2015, após a aprovação pelo Conselho de Administração.

ATENÇÃO O conteúdo dos artigos é de responsabilidade do autor e expressa sua visão sobre assuntos atuais. Os textos podem ser reproduzidos em qualquer tipo de mídia desde que sejam citados os créditos do autor. Edições ou alterações só podem ser feitas com autorização do autor.